RELAÇÃO ENTRE ESTADO E SOCIEDADE: UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE O ESTADO E OS MOVIMENTOS SOCIAIS ATRAVÉS DA CAMPANHA “NÃO AO PROSAVANA”

  • Hélio Maúngue Centro de Estudos Africanos/Universidade Eduardo Mondlane (CEA/UEM) /Moçambique. PPGSP da Universidade Federal de Santa Catarina/Núcleo de Estudos sobre Agricultura Familiar (NAF/SPO/UFSC) http://orcid.org/0000-0002-5231-3418
##plugins.pubIds.doi.readerDisplayName## http://dx.doi.org/10.52765/entropia.v5i10.228

Resumo

No sentido de modernizar capitalizar a agricultura moçambicana, o Estado lançou o programa ProSavana, como um modelo de desenvolvimento rural e agrícola. A campanha “Não ao ProSavana” se manifestou como uma forma, não somente, de intermediação política, mas também de diálogo, conflito, plataforma de fala e de contestação perante ao Estado moçambicano e dos parceiros internacionais no programa. Procuramos olhar para a campanha “Não ao ProSavana” como uma aparição dos movimentos sociais, como grupos de pressão que excluídos dos processos de tomada de decisão e de formulação de políticas ou programas sociais, procuraram estabelecer contatos com o Estado para reverter essa situação. O trabalho, ajuda-nos a perceber como se encontram às dinâmicas participatórias e democráticas no desenho de políticas públicas para o desenvolvimento rural, bem como está visão sobre a interface socioestatal em Moçambique. Essa interface demostra a existência de diferentes visões de mundo sobre o desenvolvimento rural e consequente melhoria das condições de vida das comunidades. O fato do ProSavana ter sido concebido ao estilo topdown, se constituiu uma força para pressionar o seu fim.

Publicado
Jul 5, 2021
##submission.howToCite##
MAÚNGUE, Hélio. RELAÇÃO ENTRE ESTADO E SOCIEDADE: UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE O ESTADO E OS MOVIMENTOS SOCIAIS ATRAVÉS DA CAMPANHA “NÃO AO PROSAVANA”. Entropia, [S.l.], v. 5, n. 10, p. 188-212, jul. 2021. ISSN 2526-2793. Disponível em: <http://www.entropia.slg.br/index.php/entropia/article/view/228>. Acesso em: 20 out. 2021. doi: http://dx.doi.org/10.52765/entropia.v5i10.228.